segunda-feira, 28 de abril de 2014

O GOSTO DO SEXO SEM ROSTO




A luta por destaque, por segurança, por crescimento profissional fez com que as pessoas fossem aos poucos perdendo a ideia de subjetividade (coisas da alma).
Na infância somos ensinados a pescar, pescar e pescar, somos pouco ensinados a amar, quando percebemos somos adultos gigantes externamente e infelizes por dentro, o tempo passa e nosso buraco interior vai crescendo, nunca olhamos o outro, industrializamos e prostituimos o nosso sentimento. Tudo isso sugere a necessidade de ensinar às crianças o alfabeto emocional e as aptidões do coração.
Nunca tivemos tantos meios de prazer e lazer, mas paradoxalmente nunca fomos tão infelizes, podemos constatar atualmente até suicídio de crianças. O homem chegou à lua, mas não se dispõe a dar um passo ao encontro do outro.
Somos ou nos tornamos estéreis e se produzimos em meio a tantas descontinuidades... Algum tipo de afeto é sem duvida um afeto plastificado pelo sonho triste da razão.
Hedonismo interclassista, permissividade sexual, tecnologias. . .Tudo isso provoca uma mutação antropológica e nos torna patrocinadores oficiais de nossa derrota pessoal. A única filosofia benéfica é a que facilita a minha relação com o outro. Mas o que era para ser apenas acessório virou essência. O meu livro O GOSTO DO SEXO SEM ROSTO -Diário secreto de um garoto de programa, começa com perguntas: amado ou usado? Vítima ou culpado? São questões que merecem atenção especial porque a dor da invisibilidade requer calma para ser encontrada. Cada uma delas produz espaços em branco, áreas indefinidas, ambiguidades e territórios de ninguém, que carecem de levantamentos e mapas oficiais.
Somos todos humanos, prostituidos ou não somos todos humanos. . .
O sociólogo Betinho dizia: democracia ou serve para todos ou não serve para nada.
A prostituição masculina é hoje uma realidade cada vez mais presente nas grandes cidades, isso é lamentável, porque não se é humano fora do tecido social.
A prostituição é tão sedutora quanto o prazer que ela promete se vender parece fácil, prático e bom, mas não é, muitas vezes para aguentar a vida nada fácil, é necessário se drogar para consegui deitar em qualquer cama. A droga esta totalmente associada ao cotidiano dos garotos de programa, a droga é o grito que não salva, mas iludi.
O garoto de programa pode ser apenas mais um menino carente sem rumo, sem parentes importantes, imerso na ânsia de encontrar uma saída para sua invisibilidade.
No Brasil hoje tem garotos de programas de apenas 12 anos de idade, mas ninguém vê, é mais fácil fechar os olhos . . .
Alguns chegam à prostituição para fugir de um pai espancador, outros para colocar em pratica de forma velada sua homossexualidade, outros para sustentar o vicio de droga, alguns até para esquecer um grande amor, mas a grande maioria comercializa o próprio corpo afim de não morrer de fome.
Somos todos responsáveis pela injustiça social de nosso país, a prostituição cresce na mesma velocidade da solidão das pessoas. Redes sociais, baladas, vícios só aumenta o nosso abismo interior. . . Os únicos’’ beneficiados’’ com a prostituição são os consumidores, uma vez que são ricos, bem sucedidos, bem relacionados, usam e abusam de um corpo como se esse corpo fosse de plástico, vestem a roupa e seguem em frente, rumo a sua pseudo-felicidade. O garoto de programa fica sempre com a pior parte, ganha pouco, se desgasta muito e acaba não estudando, não lendo, não amando, não tem oportunidade de se profissionalizar e vive uma vida condenada aos escombros. O glamour de se prostituir só existe nas novelas e filmes, a historia contada é um filme vivido de drama.
Garoto de programa tem ou teve família, também acreditou em coelhinho da páscoa, também teve medo do escuro na infância, garoto de programa também chora, também sofre, também sonha garoto de programa não é marginal, é marginalizado.
Quero declarar aqui definitivamente que a homossexualidade tão associada à prostituição não é pecado, não é crime e nem vergonha. Antes de ser escrita a primeira linha da bíblia já existia homossexualidade, entre os bichos também há. As religiões jogam a margem da sociedade todo homossexual, tentando fazê acreditar que isso é pecado e deve ser mascarado, algumas religiões até vem com aquela proposta curativa, odiosa, perversa, burra e inútil, querendo expulsar de suas carnes àquilo que nunca foi doença, aquilo que nunca foi pecado, os maiores gênios da historia foram homoafetivos, Deus jamais permitiria tantos dons a quem não pertencesse a seu coração, a filosofia, a psicologia e até o avião tiveram a mão de um homoafetivo para acontecer, a teologia nos confirma que o apostolo Paulo era homoafetivo, isso nos leva a crer que a HOMOAFETIVIDADE é um precioso DOM espiritual e eu provo isso em meu livro. A homofobia sim é um sentimento diabólico. Deus repudia a homofobia, mas ama os homoafetivos.
O homossexual prostituido ou não, sofre de solidão, não a solidão do corpo, mas a solidão do pensamento e essa não cabe inteiramente no território da palavra.
Pobreza gera violência, desemprego gera prostituição, e homofobia é a dança do demônio entre os homens. Não cai uma folha seca da arvore sem que Deus permita, e a homossexualidade existe para deixar o mundo melhor e mais bonito.
Finalizo com os agradecimentos mais ardentes que meu coração é capaz, agradeço especialmente aos meus leitores pelo carinho com meu livro O GOSTO DO SEXO SEM ROSTO -Diário secreto de um garoto de programa, uma vez que é por meio dele que eu consigo levantar as bandeiras da LUCIDEZ e da LIBERTAÇÃO .



Nenhum comentário:

Postar um comentário