segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Leitores obrigado sempre pelos depoimentos




Oi, Marlon!

"uma vida nada fácil - por Cinthya Marques"

O que leva algumas pessoas a entrarem para a prostituição? Como funciona esse mundo? Quais são os sentimentos dos envolvidos - garotos (as) de programa e clientes? O filósofo Marlon Albuquerque mostra a realidade através do livro "o gosto do sexo sem rosto".


Trata-se da história de Diego; um migrante nordestino que, rechaçado pelo pai e sem perspectiva de emprego, é obrigado a pedir abrigo em um prostíbulo na região de Santana em troca de casa, comida e alguns reais.

Nesse local, o protagonista se depara com o assédio moral do cafetão, exploração, crise de identidade sexual, competitividade, mas também faz amigos e vive uma história de amor com um de seus clientes.


É uma história comovente e mostra a crueldade de um universo que, ao contrário do que alguns pensam, não é nada glamourizado. O livro tem uma narrativa agradável e, não raras vezes, o leitor torce pela felicidade de Diego.


Boa leitura a todos!"



domingo, 28 de setembro de 2014

O fim da homoafetividade pode salvar o planeta?




Solução evangélica para a fome: o fim da homossexualidade.
Solução evangélica para a violência: o fim da homossexualidade.
Solução evangélica para qualquer crise econômica: o fim da homossexualidade.
Solução evangélica para o desemprego: o fim da homossexualidade.
Solução evangélica para o ebola: o fim da homossexualidade.
Solução evangélica para o conflito Israel x Palestina: o fim da homossexualidade.
Eu ainda não sei qual é a relação mágica entre dar o cu e os problemas da humanidade, isso é algo que me escapa.
Bom, galera, acho melhor vocês encontrarem soluções político / filosóficas para os problemas sociais, porque parar de dar o cu...o povo não vai não. Fui claro ou vou ter de desenhar?
Cu
Alfredo Karras .

Vote 50



"Os homossexuais, travestis e lésbicas sofrem uma violência constante. Por que as pessoas que defendem tanto a família se recusam a reconhecer como família um casal de pessoas do mesmo sexo? O casamento civil igualitário é fundamental para que possamos reconhecer juridicamente qualquer tipo de família. Estou defendendo todas as famílias, não importa se são 2 homens ou 2 mulheres. O que importa é que as pessoas se amem."
Luciana Genro


Aline Barros canta para os gays



A nossa diferença




Uma vez eu disse que a nossa diferença fundamental é que você era capaz apenas de viver as superfícies, enquanto eu era capaz de ir ao mais fundo, você riu porque eu dizia que não era cantando desvairadamente até ficar rouca que você ia conseguir saber alguma coisa a respeito de si própria, mas sabe, você tinha razão em rir daquele jeito porque eu também não tinha me dado conta de que enquanto ia dizendo aquelas coisas eu também cantava desvairadamente até ficar rouco, o que eu quero dizer é que nós dois cantamos desvairadamente até agora sem nos darmos contas, é por isso que estou tão rouco assim, não, não é dessa coisa de garganta que falo, é de uma outra de dentro, entende? Por favor, não ria dessa maneira nem fique consultando o relógio o tempo todo, não é preciso, deixa eu te dizer antes que o ônibus parta que você cresceu em mim de um jeito completamente insuspeitado, assim como se você fosse apenas uma semente e eu plantasse você esperando ver uma plantinha qualquer, pequena, rala, uma avenca, talvez samambaia, no máximo uma roseira, é, não estou sendo agressivo não, esperava de você apenas coisas assim, avenca, samambaia, roseira, mas nunca, em nenhum momento essa coisa enorme que me obrigou a abrir todas as janelas, e depois as portas, e pouco a pouco derrubar todas as paredes e arrancar o telhado para que você crescesse livremente, você não cresceria se eu a mantivesse presa num pequeno vaso, eu compreendi a tempo que você precisava de muito espaço....
Não sei, não me interrompa agora que estou quase conseguindo, disponível só, não é uma palavra bonita? Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você, eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende? Dolorido-colorido, estou repetindo devagar para que você possa compreender.
C.F.A.

Super indico, super confio . . .



Por um mundo melhor



sábado, 27 de setembro de 2014

Emocionante



sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Não




’' Muitas vezes o cuidado de Deus em nossa vida se faz através das portas que ele nos fecha’’.
O segredo é não paralisar a vida pela força de um ‘’NÃO’’ recebido. Existem, sinais, possibilidades e, sobretudo SIGNIFICADOS por trás de um NÃO recebido, portanto promova sua vida a partir disso.
Marlon

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Mia Couto




“Um morto amado nunca mais para de morrer.” Mia Couto

Estado civil


'' Meu estado civil já foi casado, divorciado, solteiro ,mas depois que te conheci passou a ser apenas FELIZ''.
MARLON

Rio amarelo



Na China, tem um rio que se chama Rio Amarelo, é um rio que acaba antes de morrer, existe uma diferença entre acabar e morrer, para nós, quando morrermos, não acabou, continuamos vivendo na eternidade. A água do Rio Amarelo, não tem força para chegar ao mar, para se transformar, ele acaba antes de chegar ao desafio final, Bem-Aventurados os rios que se juntam aos outros, para não acabar antes de chegar ao mar.
Acabar antes de morrer é o evento mais triste do planeta.
Marlon

Drauzio Varela





Muito carinho




Prezado Autor,
Fizemos caminhos contrários. Vim para a Bahia (Ilhéus) já faz seis anos. Um concurso na universidade estadual me trouxe para o sul da Bahia. Sou do Sul, porém morei muitos anos em São Paulo. Onde fiz um doutorado em antropologia. Andarilhava com um amigo pelo shopping e me deparei com seu livro "O Gosto do Sexo sem Rosto". Fiquei interessado e esse amigo resolveu me presentear. Só o abri aqui em Ilhéus. E me deparei com algo especial. Li seu livro de chofre. No final me peguei chorando com a trajetória desse rapaz. Sou antropólogo. Pesquiso violência sexual e "performance love". Minha intenção é parabenizá-lo por seu livro. Lembro que quando cheguei em São Paulo tive muitas dificuldades. Até encontrar um local para morar foi muito difícil. Sem bolsa. Conheci muito as ruas noturnas em São Paulo. E quando estamos na rua tantas ideias passam pela nossa cabeça. Medo e coragem ficam de mãos dadas. E é necessário uma tremenda força para perseverar. Justamente a que você imprimiu em Diego. Chorei pra caramba .
Parabens.
Leitor, Wladimir Blos.

O próximo pode ser você




O preconceito fez mais uma vítima. Os homotransfóbicos vêm aumentando seus ataques movidos a ódio.
Criminalização da LGBTfobia já!
Sérgio Ricardo Chadu, de 51 anos, é mais uma vítima da violência homofóbica no Brasil. Ele, que é homossexual assumido, foi assassinado a tijoladas no domingo (21) em um beco da Avenida Belo Horizonte, na região central de Uberlândia.
De acordo com reportagem do SBT local, ele foi encontrado pela polícia militar depois que moradores escutaram os gritos de Sérgio e os barulhos das tijoladas que ele levou na cabeça
A vítima, que era funcionário público, teve esmagamento do crânio com exposição de massa encefálica. Ao lado do corpo, estavam alguns pertences como anel, relógio e um controle com chave.
Marlon

As flores



Até no lixão nasce FLORES!
MARLON

Sobre o meu livro



A parte que o pai do Michel goza na boca dele não precisava ser contada. Algumas páginas foram complicadíssimas de ler e eu quase não consegui em vários momentos. Tive muita, muita vontade de desistir, mas me forçava a lembrar "É um desafio, continue!".
Não é um livro para corações e estômagos frágeis, mas é um livro esclarecedor. Me fez sair de vez do meu mundinho colorido, no final senti vontade de chorar e de amar.
Gustavo Silva- leitor

domingo, 21 de setembro de 2014

O gosto do sexo sem rosto





Ele começou a penetrar. De uma vez só, mesmo que delicadamente, enfiava tudo aquilo dentro de mim. Cheio de fome, ele me comeu nos primeiros minutos, mas eu logo pedi para ele ir com calma. Mas pediu para eu pagar mais um boquete. Ele segurou minha cabeça e me prendeu de boca aberta, engolindo tudo aquilo. 23cm de nervos e tesão. Até que começou a estocar dentro da minha boca. Comecei a chorar, por não estar agüentando tudo aquilo dentro de mim. Foi então que ele falou. “Não tava querendo sentir minha pressão? Agora agüenta sua vadia!”. Sorri, posicionei meus joelhos no chão e disse pra vir. Ele segurou meus quadris e começou o vai-e-vem mais gostoso que senti na vida. Ele forçava minha costas para baixo, pois, como não conseguia agüentar tudo aquilo tentava fugir, mas não tive escapatória.Na mesma posição, após uma longa felação, o garotão se vira e pede para eu chupá-lo até gozar. Foi quando ele disse que só conseguia gozar durante um bom boquete. Pensando que iria chupá-lo por mais algum tempo, percebi que me enganara. O garoto ainda tava duraço e sem nenhum sinal de êxtase se aproximar. Chupei de várias maneiras, até que finalmente ele tremeu e jorrou porra na minha boca.

Cadeira elétrica



‘’Jesus gostava de reunir-se com pobres, negros e pecadores, comer com eles e festejar a vida’’(Lc5,29s).
Mais uma vez o goleiro Aranha foi hostilizado em campo por ser negro, que erro, que vergonha, que tristeza.
Quando Jesus voltar, ele jamais vai esta ao lado dos fundamentalistas religiosos, dos homofobicos ou racistas. Jesus estará do lado dos gays, putas, travestis, negros, pobres, porque Jesus é Deus humano.
Cadeira elétrica para aqueles que de forma diabólica usam sua boca para distribuir ódio e preconceitos.
Marlon

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Vale tudo



''Quando a gente odeia alguém sem culpa e de coração, libertamos a alma da ordem macabra de resgatar em nós a pureza que nunca existiu , porque a iluminação só vem quando nos permitimos sentir tudo que temos necessidade de sentir''.
Marlon

Chega de mortes e descaso


Precisamos nos unir e fazer com que todo essa raiva que estamos sentindo possa transformar a sociedade. Não podemos ter medo, temos que ter vontade de lutar para que todas essas violências homofóbicas e transfóbicas acabem, por uma sociedade em que nossa orientação sexual e identidade de gênero seja respeitada.
Peço aos meus amigos cariocas que votem em meu amigo e conterrâneo Jean Willys, e peço aos meus amigos Paulistas que votem em Bill Santos, porque essa causa é mais do que urgente!
Agradeço a todos!
Grande beijo!
Marlon

Monique Top


Peço o voto de cada um dos meus leitores e amigos para minha grande amiga Monique, para deputada estadual pelo estado de São Paulo por um estado laico , digno e justo. Nela eu confio.
Marlon

Até quando?



Acaba de ser assassinado mais um gay por homofobia, até o final do dia pode ser você o próximo!
Um jovem gay de 17 anos foi encontrado morto nesta quarta (17) na cidade de Bayeux e pela brutalidade do crime e de se tratar possivelmente de um crime homofóbico, os internautas pessoenses realizam um ato público no Busto de Tamandaré no Sábado.
Wanderson Silva foi assassinado com um tiro na cabeça e teve os cabelos raspados pelos assassinos. Em um saco plástico foi encontrado o enchimento para os seios do jovem e o cabelo tingido de vermelho.
Internautas comoveram-se com a notícia ao identificarem o jovem através das redes sociais.
Os pessoenses estão organizando um Ato Público no Busto de Tamandaré em João Pessoa em homenagem a João Antonio Donati que foi vítima de homofobia em Goiás no meio da semana e agora o jovem paraibano também será homenageado.
"Cada um que se cala diante dessa triste realidade, ajuda a aumentar esses índices. É preciso que a sociedade consciente se levante a favor da criminalização da homofobia, para que nossas escolas ensinem as crianças a entenderem e respeitarem a diversidade! Não podemos mais viver esse genocídio!"
Ele era militante e fazia campanha para minha amiga e candidata a deputada federal Léo Áquilla !
Marlon

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Vote em Bill





Amigos e leitores, quero pedir o voto de todos para o meu amigo Bill Santos deputado federal pelo estado de São Paulo.
5019.
Obrigado a todos!
MARLON ALBUQUERQUE

domingo, 14 de setembro de 2014

O gosto do sexo sem rosto na revista JUNIOR




Durante três anos, o autor Marlon de Albuquerque ouviu a história de vários garotos de programa da cidade de São Paulo. Sua intenção era escrever um livro documental sobre sexo anônimo e o sexo pago masculino.Mas no caminho de sua pesquisa, se deparou com a história de Diego, um garoto de programa nascido na Bahia, que veio a São Paulo em busca de uma vida com melhores oportunidades e acabou batendo à porta de uma casa de prostituição masculina que existe de fato no bairro de Santana. A história de Diego é o centro do livro O Gosto do Sexo sem Rosto, um romance com pegada documental que tem vendido muito bem basicamente com publicidade no boca a boca.
A casa que Diego foi morar (e trabalhar) existe. É um “prive”, uma casa onde moram entre 10 e 12 garotos de programa que atendem seus clientes ali mesmo na casa, em seus vários quartos, 24 horas por dia. O livro começa com Diego perdido pelas ruas de São Paulo em busca de ser aceito pelo gerente da casa de prostituição. Assim que consegue a aprovação para morar e trabalhar lá, o livro passa a narrar desde o primeiro programa do personagem central, bem como a vida dos outros michês que dividem o espaço com ele e do funcionamento da casa. Tudo segue em tom documental até que Diego se apaixona por um cliente e o livro ganha contornos românticos.


É o primeiro livro de Marlon de Albuquerque. “Ele (o Diego) tinha um diário em que anotava tudo que acontecia, e aí eu consegui convencê-lo de eu contar essa história. Conheci outros personagens do livro também. Paguei para o gerente para eu ficar dois dias lá na casa. Falei para ele que eu estava fazendo um trabalho de conclusão de curso na faculdade, que eu precisava fazer uma pesquisa. Acabei conversando com alguns clientes, com autorização deles”, conta o autor. Tanto quanto o personagem principal, o autor do livro também é baiano e veio morar em São Paulo para estudar e trabalhar, mas ele nega qualquer traço biográfico na obra. “Conheci algumas pessoas que foram garotos de programa, outras que saíram com garotos de programa, tenho amigos que procuram assiduamente garotos de programa, que só transam com garotos de programa e são viciados em sexo pago. Então é um universo que de certa forma é próximo. E acabou ficando mais próximo de mim ainda por conta do livro”, relata Marlon.


O livro, mesmo quando ganha o fôlego de uma relação romântica entre o personagem central e um cliente, tem a toda hora um tom muito negativista em relação à prostituição, quase lamentador. Diego, o personagem central, bem como a maioria dos outros michês do livro, não vê a hora de se livrar desta profissão, opinião que corresponde à do autor. "É ruim mesmo, no final de tudo é ruim, é legal a grana porque é um dinheiro que não é fácil mas que vem rápido, então isso facilita as coisas. Mas eu acho que num território pessoal, a questão da psicologia é devastadora. Eu acho que (a prostituição) acaba destruindo a autoestima da pessoa, eu acho que eles se expõem a uma série de riscos, eu coloco tudo isso no livro, eu acho que quem ganha é sempre o cliente, nunca o garoto de programa", finaliza ele.


O gosto do sexo sem rosto
Autor: Marlon de Albuquerque
Editora: Thesaurus
Preço: R$ 39,90

Embora provavelmente




Na realidade, quase todos os homens gostariam de ter um pênis maior — embora provavelmente não tão grande como o que bateu o recorde mundial: 34 cm e impossível de ficar ereto. Ao contrário do que se pensa, não existe relação entre a altura do homem, o tamanho das suas mãos, pés ou nariz com o seu pênis, e também entre as medidas de seu pênis flácido e ereto. Mas apesar de qualquer avaliação e de todas as especulações, a esmagadora maioria tem pênis de tamanho médio. Por que, então, se preocupar tanto?

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Homofobia MATA




Recebi um email de um fã, que se disse homossexual, relatando para mim que na semana passada fora espancado na rua por uma gangue de homofóbicos e, por causa disso, passou 3 dias internado, se recuperando das lesões. Ele me relatou alguns detalhes desta agressão que não cabem neste post. Disse que estava pensando em suicídio, que talvez Deus tivesse feito com ele uma grande "sacanagem" ao provê-lo com sentimentos e desejos dos quais não pode assumir neste mundo, sem o risco de ser excluído pela família, rejeitado pelos amigos e desprezado pelos intolerantes. De fato, o ser humano tem muita dificuldade de lidar com o diferente. Existem vários motivos para isto. Os mais comuns são três.
Medo - Não quero que o outro revele aquilo que existe dentro de mim.
Inveja - Não suporto quando o outro possui liberdade para fazer coisas que sempre me privei.
Hábito - Aprendi a condenar, a criticar e a desprezar tudo o que é diferente de mim.
Estamos em pleno século XXI. Fico me perguntando: "Como é possível para nós, seres humanos, ainda toleramos este tipo de manifestação em nossa sociedade?" Talvez, eu também tenha uma parcela nisto tudo, quando me omito ou fecho meus olhos, fazendo de conta que certas coisas simplesmente não existem. Marlon

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Que o Brasil veja isso urgente



Direitos



"Temos o direito a ser iguais quando a nossa diferença nos inferioriza; e temos o direito a ser diferentes quando a nossa igualdade nos descaracteriza. Daí a necessidade de uma igualdade que reconheça as diferenças e de uma diferença que não produza, alimente ou reproduza as desigualdades" (Boaventura de Souza Santos)