segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Por Eber Rodrigues






Gostei muito da observação que ele faz a respeito da cidade de São Paulo, os moradores, os pedestres, os frequentadores de baladas/bares... É interessante como ele detalha tudo de forma tão poética e crítica.
Então, eu não sou a pessoa mais romântica do mundo haha. Então, como o livro trata basicamente do amor pelo Alexandre, acaba sendo uma linha bem diferente do que eu esperava... Ainda assim, gostei bastante e não via a hora dele se libertar do que sentia pelo Alexandre. Claro que não deixar de amá-lo, mas de viver em função dele.

Mas, quem disse que a gente controla o coração, né?Ou, mais que isso, quem disse que a gente tem que controlar o coração?

Então, achei triste porque ele passa muito tempo da vida dele vivendo algo que trouxe muita dor, embora também foi algo que permitiu a ele viver os momentos mais felizes da vida dele, dentro de uma história tão triste de vida (a relação com o pai, a distância da avó, mãe e irmã, as dificuldades pra sobreviver em Sampa).

Eu adoraria sentar contigo pra ir conversando mais. Passar minhas impressões, mas também ouvir de você as respostas e tal, e trocar umas figurinhas a respeito de tudo que o livro trata.

Nenhum comentário:

Postar um comentário