quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Aprendendo


Depois que me tornei escritor, recebo inúmeros e-mails de pessoas vitimadas pelo sofrimento, me questionando sobre a forma mais simples de se livrar do sofrimento, do sofrimento de ter perdido um amor, de ter perdido um ente querido, de esta sem grana, doente ou com depressões inexplicáveis, eu não tenho formulas, mas uma coisa eu sei segundo o cristianismo o sofrimento é sempre um lugar de revelação e eu sempre dou essa noticia com muita alegria, por que sei que nas pedras nascem as verdadeiras alegrias. Escutamos no mundo hoje formulas rápidas de felicidade, más elas são falsas, porque felicidade não se compra, nem com dizimo e nem com um falso coração’’ puro’’.
Eu sei que o cristianismo no primeiro momento é contraditório, mas é nessa contradição que existe a resposta de tudo. Como pode a lágrima rolada me abrir portas para um mundo novo?
Guimarães Rosa tem um conto que se chama a terceira margem do rio, isso para mim é cristianismo uma realidade fecunda e misteriosa, o autor insinua a vida a partir daquilo que nos ainda não podemos ver. Só pode entender a felicidade que sabe compreender aquilo que vem antes dela, a vida humana só ganha sentido à medida que mergulhamos no antes para descobrirmos o depois. Talvez ainda não vencemos a nossa dor porque ainda não tivemos coragem de mergulhar no mistério dela. Uma cigarra para cantar precisa ficar anos em baixo da solidão da terra, sozinha vivendo o processo de tornasse cigarra, mas nos humanos não queremos viver o processo de nos tornarmos humanos. Bem aventurada à cigarra que sabe viver o sofrimento da solidão em baixo da terra porque dela será o canto.
Eu tenho certeza que mesmo que nos nunca tenhamos oportunidade de sentar na mesma, se um dia eu relatar a minha vida e você relatar a sua em muitos momentos nossas historias já se encontraram, porque a dor humana é real na sua carne, na minha na de todos, o diferencial é a capacidade de perceber os significados e depois entender que é necessário passar pelo sofrimento, mas não permanecer nele.
Não há ressurreição sem calvário, o sofrimento de uma caminhada , mesmo entre tombos e espinhos vale sempre a alegria de uma chegada.
A águia americana, à medida que o tempo vai passando para ela as unhas vai ficando curvada, o bico vai ficando curvado e ela perde o poder de caça e logo fica sem alimento a um passo da morte então. Naquele momento ela se recolhe nos penhascos e faz o processo doloroso de ficar batendo o bico até que comece o sangramento e o bico se desprenda dela, a águia precisa perder o bico que não lhe serve e um novo bico vai surgindo, mas quando o bico já esta crescido ela começa a arrancar com o bico novo as velhas unhas, porque se não fizer isso ela morre de fome, ela escolhe viver o processo da mutilação que é puro sofrimento, depois de todo esse processo ela se renova e terminado ali o sofrimento ela retorna aos céus e ganha nova vida, novas possibilidades e ela consegue viver pela frente muitos anos pela frente.
O que a águia e a cigarra têm a ver conosco? Tudo, ou a gente vive o processo do sofrimento e da dor com força, luta e muita, muita esperança eu envelheceremos com os mesmos bicos, as mesmas unhas velhas e corremos o risco de ficar como uma cigarra covarde para sempre em baixo da terra e nunca atingiremos a terra prometida. Bem aventurados aqueles que conseguem viver o sofrimento na perspectiva de redenção.
“Vivemos escravizados por essa ditadura diabólica da felicidade, quanto mais alegrias derramarmos, nas redes sociais, nas baladas, nas festas e na nossa vida no contexto geral mais pessoas estará ao nosso lado e de toda essa cultura sobra apenas pessoas” lindas’’ nas baladas, nas redes sociais e sem a menor capacidade de voo. Me da pena !
Queremos a festa, mas não queremos o trabalho de prepara-la, nisso também há uma mística porque a experiência de preparar a festa já é uma forma de ser feliz. Existem pessoas que começam a prepara a festa na lama, existe outras que se acomodam na lama e por mais que esteja claro elas não conseguem ver mais nada além da lama, seu destino é cruel, beber a lama até a morte.
Existe pessoas algumas delas próximas de mim que ficam o tempo inteiro reparando tudo que perdeu, sem perceber o que ainda tem e ainda pode ganhar, eu sinto pena, porque na casa delas existem vários pacotes de felicidades escondidos, más elas não querem ver, elas não saber que a felicidade é pequena para todas, mas ela se torna grande a partir do momento que juntamos uma felicidade com outra, e assim pequenas porções de felicidade vira uma grande felicidade.
Eu todos os dias me pergunto o que precisa ser sepultado em mim, nesse processo doloroso e revelador tenho descoberto coisas incríveis, isso não é o segredo da felicidade, más é uma alternativa, porque uma das coisas mais bonitas da vida é mudar de pele.
A parte do nosso corpo que Deus mais gosta de usar é a boca, em contrapartida o demônio também. Sabe amigos nos só temos o direito de apontar a pobreza do outros quando temos uma nova riqueza para apresentar a ele.
Qual foi a ultima vez que você tirou cinco minutos do seu tempo para derramar um punhado de luz no sonho de alguém que pela força da solidão ainda esta em baixo da terra?
Eu não sei qual é a resposta, mas eu posso afirmar que quando derramamos um punhado de luz no sonho alheio, Deus derrama toneladas no nosso. A cada dor bem vivida, há sempre uma alegria sendo gestada, mas ela só se revela através do nosso empenho, do nosso preparo de cada dia.
Cristianismo não é seguir a bíblia, não é frequentar templos, não seguir religiões, cristianismo é conquistar a cada dia um jeito novo e mais bonito de ser gente.
Marlon De Albuquerque ( Príncipe maluco).


Nenhum comentário:

Postar um comentário