quinta-feira, 30 de maio de 2019

Luxo psicológico






Se é pelo fim dos malditos diga ao povo que fico.
Meu psicanalista falou que é puro fluxo psicológico.
Ele errou é luxo psicológico.
Na feira, no parque, na praia não consigo parar de pensar nos mistérios das bolas de gude.
Vitimado pela mutilação coletiva, uma vez que o pensamento humano, sempre quer por caridade ou maldade a morte súbita, mansa e muda de um igual.
Meu lado certo é o contrario, amo bossa nova, mas prefiro fossa nova.
Minha tristeza e horror tinham um nexo fui à casa do padrinho de um dos meus filhos jantar, lá havia um quadro pintado de Clarice Lispector, ela estava tão pintada e enfeitada que parecia uma arvore de natal, personagem cênico de uma peça de teatro onde todos os palhaços morrem de tanto rir no final.
Fui embora sem avisar, pois Clarice passou uma vida lutando pelo direito de ser frágil comum e discreta. Por pura covardia um pintor idiotizado pelas cores do mundo a transformou em uma vedete.
A pedido de um padre que outrora já comeu um gay, não vou mais falar sobre bissexuais, foda-se todos eles, o importante é que não sou viado.
Eu amo a bíblia, ela diz que Deus só ama quem dá com alegria. Amém e que isso sirva de exemplo para você também.
O medico quando eu tinha 17 anos disse que sou esquizofrênico, passou nove remédios diferentes. Talvez eu seja mesmo esquizofrênico e por isso tenho pensamento desorganizado e abarrotado de inocência pisada.
O dinheiro compra o amor verdadeiro, dizia ele. É uma pena, pois tudo que me sobrou foi pouco mal dá para cigarros, goiabada e cachaça, minhas pontes para chegar ao Deus, que outrora desprezei e agora me rendo de coração aberto, puro e inteiro.
Escrevo em português errado, ser lido, publicado para mim, que de mim só pude me tornar prisioneiro não tem mais valor.
Livros, baratas e goiabada ainda gosto, mas de nada isso me serve, só sei começar pelo fim, sem nem ao menos entender o fim.
Minha mãe me disse que é pecado escrever sobre Deus, o insultando pelas suas ausências, mas ele escreveu minha vida inteira, hoje minha curiosidade é maior do que a minha fé.
Não leve a serio o que escrevo, amanhã eu já esqueci tudo isso e em uma manhã qualquer de verão eu vou jogar, sim, sim, sim, vou jogar pedra na vidraça, assim consigo te condenar a conviver o resto da vida com o barulho dos vidros caindo.
A minha hora vai chegar vou acender um cigarro uma vela para Santa Clara, (ela e São Francisco foram apaixonados) em seguida asfiquisiado com meu próprio silencio abro a cortina de vez.
A palavra FIM para uma alma prosaica, ferida e histérica é o fim.
Marlon - Príncipe

Nenhum comentário:

Postar um comentário