segunda-feira, 13 de maio de 2019

Robson






Seja na mira de um revolver, ou na mira de uma flor, todo amor vira terror.
Amar é grave, mas não é crime.
Dos quase mil amores que tive, você foi o único que me deu amor, tecido de palavras por isso te estendo carinhosamente a palma da minha mão para que nela você cante, dance , represente e depois te empresto minhas asas e você voa!
Basta um olhar de desprezo e você acaba com meu dia, minha semana e minha vida, eu imploro não me deixa sozinho sem você e seu perigoso carinho.
Pela primeira vez senti medo de escrever, a gente nunca sabe como a coisa vem. .
Quando chego tarde demais, escrevo nas madrugadas.
O meu maior medo é que esse verso que tanta gente detesta , justamente porque não presta,chegue tarde demais em sua retina.
O Deus pouco a pouco está me levando para os quarenta anos, me recuso a ir, mas por razões que desconheço acabo chegando mesmo sem ir.
Eu só sei amar grande, e tudo que vivi foi mais pequeno , do que um livre erro de português.
Eu tenho medo dobrado, medo de sentir medo.
Na verdade quero morar sozinho, beber sozinho, gozar sozinho, dormir sozinho e acordar consertado.
Sim, penso que somente duas vezes estive apaixonado e nu.
Logo eu que nunca fui contra o espanto, sou privado da macabra melodia, uma vez que meu coração bate em sua perfeita sintonia.
Eu tenho religião, não pega bem continuar essa ciranda sagrada e erótica.
Como um cachorro vivo te seguindo, te venerando, sofrendo, amando e chorando.
Pela idade, tenho respiração cansada, sai ileso de todos os golpes, menos o da cruenta solidão.
Na ultima vez que fui à missa, uma putinha quase infantil, fez meu pau ficar duro, duas vezes, enquanto o padre falava , meu pau latejava.
Vamos falar a verdade, no final das contas acabamos devotos de santos do mal.
Eu vivi entre putas esquizofrênicas e psicóticas, que chupavam todos os internos, inclusive eu.
Afinal o beijo na boca é o verdadeiro sexo oral.
Hoje orei, depois fui punhetar, mas não deu certo, as palavras da oração não saiam de minha cabeça.
Existe uma santa, se não me engano é madre Tereza D, avila, que em vida toda vez que orava chegava ao orgasmo.
Quero seu abraço morto, porque se chama abraço!
O amor ao passo que se torna verdadeiro vale tudo, vale vida e morte.
Ganhei um pouco de dinheiro vendendo mentiras escritas, mas paradoxalmente todos os meus amigos se afastaram, sinto falta de amigos, mas às vezes perdido, nem sei se eles existem de fato.
O mais secreto em mim é orfandade, sinto desprezo pleno e incomum pela solidão, e ao mesmo tempo eu a quero.
Amo beber sozinho, com cigarros, musica e cercado de flores de plástico.
Quem me carrega pelas mãos antes que meu telhado despenque é a criança que um dia fui.
Paulistanos são patologicamente obcecados por dinheiro, sexo e drogas. Eu também às vezes.
Essa carta é para o Robson, mas pode ler antes de entregar, se não chegar a ele a tempo, por favor, digam que perdão é mentira e que todas as vezes que falei de amor em minha vida, era porque eu de fato amava.
Eu sou um garoto de nove anos, tenho as costas chicoteadas, sou assustado e medroso, e somente eu sei o quanto é difícil continuar vivendo.
A minha mente nunca terá quarenta anos. Meu cérebro é de nove.
Acredito em tudo e quero você agora, não acredito em destino, embora eu saiba que ele realmente existe.
Sobre o punhal e o sangue dizem que é maldade, mas eu acho que é amor.
A alegria é remédio para os doentes e não e não premio para os santos essenciais. Marlon -Príncipe


Nenhum comentário:

Postar um comentário